segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Resgate da Criança

Neste momento volto ao tempo de criança... uma memória que há tanto tempo esqueci, retrata tão bem a sabedoria de alguém que reconhece quem foi e o que neste momento é.

Para rir ou não.. voltou à consciência algo que fazia com pouco anos de idade.. devagarinho pousava as mãos numa textura lisa e fresca.. De frente para ela, encostava suavemente o ouvido... depois a face... e esperava... esperava muito atentamente pelo momento que fosse possível de me transportar de uma divisão da casa para a outra sem sequer usar a porta...

Para mim transpor uma parede era tão real como subir umas escadas... o meu interior sentia que era possível... no entanto... a experiência começou a mostrar-me que as duas densidades não se misturavam... realmente aquilo que sentia ser possível não me estava a ser mostrado...

Mais tarde, depois de algumas pesquisas descobri que existiam átomos. E que dados determinados padrões de intercepção entre corpos diferentes, isso determinava ou não o sucesso da minha missão..

Descobri ainda que isso seria teoricamente possível caso os meus átomos e os átomos de um obstáculo tomassem um alinhamento quântico perfeito, no entanto, as probabilidades de isso acontecer é que não jogavam muito a meu favor...

Desde então parei de insistir, desde muito pequeno que nunca mais tentei...

Hoje não falo de transpor paredes pois percebi que essa é uma memória que trago comigo desde há muito tempo...

reflectindo melhor... quantas não foram as situações que em tempos não foram possíveis mas que simplesmente deixamos de tentar porque nos condicionaram o coração?

Quantas paredes pensamos que são impossíveis de transpor e no final de contas não passam de uma ilusão?

Deixamos de ter a visão de uma criança porque realmente a experiência daquele tempo, das pessoas, e daquilo que nos disseram... "São apenas brincadeira de criança sem fundamento".

De quantas coisas deixamos de ver com o nosso coração com aquela alegria sentida de que tudo era possível?

Mesmo que não fosse possível não fazia mal, seguiamos em frente e logo a seguir rebolavamos sem medo pelo monte abaixo e só isso nos inundava com uma alegria pelo desconhecido.

O sentir de uma criança manifesta a sabedoria de como encontrar alegria em tudo. Tudo flui, tudo é canalizado naturalmente desde o interior do seu ser até à vibração no exterior.

*Sê, sem medo, sem julgamento, com fé, com amor, com alegria*


2 comentários:

Yasmin disse...

Memórias de um Duende agora num corpo de Humano, consciência de um Elfo que sabe o que veio fazer à Terra.
Com Amor
Yasmin

Mafalda disse...

Se em criança trazias a memória de transpor paredes, por certo ainda hoje a tua criança interior o pode fazer! Há várias maneiras de transpor paredes! Vai em frente!
És lindo! Saudades e beijos de coração com coração
Mafalda Sousa Pires